Simple Plan lança “Harder Than It Looks” em CD no Brasil!

Em maio de 2022, o Simple Plan lançou seu sexto álbum de estúdio, intitulado “Harder Than It Looks”.

O álbum apresenta os singles “Ruin My Life”, “Iconic”, “Wake Me Up When This Nightmare’s Over” e “The Antidote”, e foi lançado em CD, fita cassete e vinil internacionalmente.

Os fãs brasileiros que não puderam adquirir a versão física por importação terão uma surpresa durante os shows da I Wanna Be Tour! Uma tiragem limitada do CD estará disponível exclusivamente no estande de Merchandise Oficial da banda durante os seis shows realizados no Brasil – sujeito à disponibilidade de estoque.

Este é o primeiro álbum independente do Simple Plan, e o Brasil é o primeiro e único país a receber uma edição produzida nacionalmente.

O Merchandise Oficial do Simple Plan estará disponível para compra APENAS dentro das casas de shows e estádios. O pagamento poderá ser realizado com cartão de crédito, débito e pix.

O preço do produto será determinado na data dos eventos e poderá variar conforme os impostos e taxas locais.

Participe das surpresas para os shows do Simple Plan no Brasil

Amanhã, o Simple Plan inicia uma série de seis shows pelo Brasil, e os fãs brasileiros estão preparando algumas surpresas para tornar esse momento ainda mais especial!

A ideia é levantar placas que remetam às músicas do setlist, assim como organizar uma ação entre os fãs para lotar os estádios do festival com luzes verde e amarela. Abaixo, estão detalhadas as surpresas e como participar:

SIDESHOW

Durante os últimos meses, os fãs se organizaram para pedir que a banda adicione a música “Gone Too Soon” ao setlist. O Simple Plan chegou a ensaiar essa faixa em uma passagem de som na Europa, portanto, as chances de eles nos surpreenderem com a faixa do “GYHO!” no set são grandes!

Para complementar a performance, os fãs devem levantar placas com corações ou com uma dedicatória para uma pessoa com a qual essa música se relaciona, como “FOR MY DAD” (“PARA O MEU PAI”).

Clique aqui para baixar as duas artes que foram preparadas para esse momento.

FESTIVAL

O encerramento do set da banda deverá ser com “Perfect”. Este deve ser um dos momentos mais memoráveis de todo o festival, que ficará ainda melhor com o auxílio dos fãs. A sugestão é que cada um coloque um celofane verde ou amarelo na lanterna do celular, criando uma atmosfera única e uma vista incrível para o SP, que estará no palco.

Alguns fãs estão se organizando para distribuir os celofanes e placas de coração na fila e no interior dos festivais. Caso você tenha disponibilidade, leve o seu material de casa e, se puder, distribua entre o seu grupo de amigos que estarão com você no evento. Vamos nos unir e tentar criar um momento único e inesquecível durante os seis dias de shows!

Where I Belong: Ligações do Simple Plan com as bandas do I Wanna Be

Um dos principais atrativos do festival I Wanna Be é a presença de grandes bandas do pop-punk / emo, tanto nacionais quanto internacionais, em seu lineup.

Todos os 12 grupos selecionados ainda ocupam espaço nas playlists das plataformas de streaming, assim como faziam parte das seleções nos MP3 players de boa parte do público que aguarda ansiosamente a primeira edição da turnê itinerante, que terá início neste fim de semana em São Paulo.

Além de serem nomes reconhecidos pelo público, muitas das bandas selecionadas têm uma história de interseção com o Simple Plan ao longo dos mais de 20 anos de carreira dos canadenses. Neste artigo, exploraremos algumas curiosidades, turnês e colaborações que uniram o SP a essas bandas em diversas ocasiões no passado.

Como é comum em festivais, os shows do Simple Plan frequentemente incluem participações especiais de outros artistas, seja em “I’m Just A Kid”, “Where I Belong” ou “Jet Lag”. Será que podemos esperar que membros dessas bandas se juntem ao Simple Plan no palco para encerrar o evento?

Plain White T’s

Fundada em 1997, a banda ganhou fama mundial com o sucesso “Hey There Delilah”, que inspirou o vocalista do Simple Plan, Pierre Bouvier, a nomear sua cachorrinha Delilah.

Mas as conexões não param por aí. O guitarrista da banda, Tom Higgenson, colaborou com o SP na composição da balada “Perfectly Perfect”, do quinto álbum de estúdio “Taking One For the Team”.

Na mesma época, o Plain White T’s foi convidado para abrir os shows da etapa canadense da turnê de divulgação desse álbum, compartilhando o palco com o Set It Off e Seaway. Antes disso, em 2005, a banda também fez parte das atrações de abertura da turnê do disco “Still Not Getting Any…”, dividindo os palcos com Paramore e Straylight Run.

Mayday Parade

O Mayday Parade tem acompanhado o Simple Plan em turnê há alguns meses. Ao lado do State Champs, a banda percorreu a Europa durante a “Hard As Rock Tour”. Durante os shows, eles foram convidados a participar das performances de “Where I Belong”.

Assim como o Simple Plan, o Mayday Parade foi uma das bandas convidadas para integrar o lineup da primeira edição em alto mar da Warped Tour. A Warped Rewind at Sea, ocorrida entre os dias 28 de outubro e 01 de novembro de 2017, contou com bandas como Bowling For Soup, Face To Face, Good Charlotte e Story of the Year.

The Used

Você se lembra que na Warped Tour de 2003, o vocalista do Simple Plan, Pierre Bouvier, foi convidado a dividir os vocais de “The Taste Of Ink” com o The Used? Essa colaboração foi filmada para fazer parte do filme “The Punk Rock Holocaust”, que é ambientado na Vans Warped Tour.

As duas bandas se encontraram novamente, desta vez em solo brasileiro, quando participaram do Ceará Music Festival, em 13 de outubro de 2012. O festival também contou com Evanescence e O Rappa em seu lineup. Quatro anos depois, o Simple Plan e o The Used foram convidados como banda de abertura da turnê California do blink-182, com o show ocorrendo no Canada Life Centre, em Winnipeg, em 7 de julho de 2016.

The All-American Rejects

Em 2005, a banda conhecida pelos sucessos “Move Along”, “Dirty Little Secret” e “Swing, Swing” fez parte do ato de abertura da turnê do álbum “Still Not Getting Any…” na Austrália.

O The All-American Rejects também abriu shows para o SP no Canadá em 2008 e 2018.

All Time Low

O Simple Plan e o All Time Low já se encontraram diversas vezes. As duas bandas canadenses colaboraram em faixas como “Freaking Me Out”, do álbum “Get Your Heart On!” e “Time Bomb”, composta por Pierre e Chuck, e gravada pelo All Time Low para o disco “Dirty Work”.

Nos palcos, as colaborações foram inúmeras. O All Time Low se uniu ao Simple Plan como uma das bandas de abertura do I-Day Festival na Itália, que também contou com Sum 41 e blink-182. Dois anos depois, eles foram convidados como banda de abertura da “Get Your Heart On Tour” no Canadá e integraram o lineup da etapa canadense da “Taking One For The Team Tour” ao lado da banda PVRIS.

E é claro que o All Time Low não ficaria de fora do clipe de “Boom!”. No clipe da faixa, que foi um dos buzz singles do “Taking One For the Team”, o Simple Plan contou com diversas bandas convidadas que gravaram suas participações nos bastidores do Alternative Press Music Awards e da Warped Tour.

Entrevista com Chuck Comeau na capa do jornal Polimetro da Colômbia

O Simple Plan está em um dos destaques de capa da edição de hoje do jornal colombiano Polimetro.

Com o intuito de divulgar o show que a banda fará em Bogotá, Chuck Comeau fala sobre a relação da banda com o país, o crescimento do Simple Plan durante os mais de 20 anos de carreira somado as mudanças da internet e reflete sobre músicas como “Perfect”, “Iconic” e “This Song Saved My Life”.

Vocês não voltam para a Colômbia há pouco mais de dez anos. Que lembranças você tem do nosso país e como se sente ao retornar depois de tanto tempo?
Ah, que lembrança! Já se passaram doze anos, isso é lamentável. Parece que foi ontem e me sinto mal por isso. Eu me lembro nítidamente da primeira vez que estivemos na Colômbia e foi uma experiência incrível. Lamentamos muito ter demorado tanto para voltar, mas estamos extremamente animados por estar de volta. É impressionante olhar para trás e perceber quanto tempo se passou.

Levando isso em consideração, há alguma música em seu repertório que tenha uma conexão com a Colômbia?
Posso dizer que estamos muito ligados a todos os nossos fãs ao redor do mundo. Conversamos com eles nas redes sociais e os encontramos nos shows. Então, em tudo o que fazemos, sempre há uma parte que se relaciona com os fãs que conhecemos. Por exemplo, “This Song Saved My Life” tornou-se uma música com a qual muitas pessoas se identificam pelo poder da música. Acho que isso é algo universal, não é mesmo? Isso se aplica às pessoas, seja nos Estados Unidos, na Europa, na Austrália, no Sudeste Asiático ou na América do Sul. Portanto, espero que as pessoas consigam se conectar, apesar de suas diferenças ou origens. Músicas como “Perfect” são um exemplo claro disso. Foi uma música muito pessoal que escrevemos e realmente pensávamos que não se conectaria com as pessoas porque era muito pessoal, mas acabou sendo exatamente o oposto. Descobrimos que, quanto mais abertos e honestos formos, quanto mais pessoal for nossa música, mais as pessoas poderão se identificar, porque poderão sentir a sinceridade e a autenticidade, perceberão que é real, genuíno e sincero, que realmente vem de um lugar verdadeiro. Portanto, acredito que as pessoas na Colômbia esperam sentir isso quando ouvirem nossa música agora que estamos de volta.

A música do Simple Plan marcou uma geração em nosso país, especialmente quando as redes sociais como o MySpace estavam em alta.
No início, quando começamos, tudo girava em torno da MTV em 2002 e os programas de rádio, que foi como o público descobriu nossa música. O MySpace marcou o início da era das mídias sociais e de como as pessoas se conectavam com os artistas. Quando começamos, lançamos DVDs de nossos shows e bastidores para mostrar aos fãs como éramos nos bastidores. Postamos vídeos em nosso site. Agora, tudo evoluiu muito e estamos na era do TikTok, Reels e Instagram. Mas o que não mudou para mim é que tudo se resume à comunicação entre fãs e banda e, pelo menos para nós, nunca quisemos ser uma banda misteriosa, desconhecida. Sempre quisemos trazer as pessoas para o nosso mundo e mostrar-lhes quem éramos, nossa personalidade, mostrar-lhes quem éramos fora do palco. Fazemos isso há 25 anos. Vejo isso como uma jornada cheia de experiências, aprendizados e crescimento como banda. Portanto, tem sido ótimo ver como tudo isso evoluiu, mas, fundamentalmente, nunca mudamos nossa abordagem, que é sermos muito abertos com nossos fãs e mostrar a eles quem realmente somos.

Falando de sua música mais recente, “Iconic”, ela é muito semelhante a “Shut Up!” de 2004. Nesse sentido, parece que a rebeldia do Simple Plan não mudou. Você acha que essa tem sido a chave para continuar fazendo música?
A realidade é que as pessoas mudam, certo? Elas evoluem. E agora, obviamente, temos vidas diferentes das que tínhamos quando tínhamos 21, 22, 23 anos, quando começamos. Mas, ao mesmo tempo, como você mencionou, acho que ainda nos lembramos do sentimento de sermos rejeitados e de estar apenas começando, e de como é ter esse sonho e provar que as pessoas estão erradas. De muitas maneiras, pela forma como somos, pela trajetória da banda e como as coisas aconteceram conosco, sempre sentimos esse tipo de peso em nossos ombros, como algo a provar. Nunca fomos a maior banda da nossa época. Nunca tivemos a música número um em todos os lugares, mas, ao mesmo tempo, tivemos que trabalhar duro e conquistar tudo o que temos. Acho que essa mentalidade permanece conosco, e acho que é positivo quando escrevemos músicas, fazê-lo a partir dessa perspectiva.

Quando você está lutando e sente que tem algo a provar e ainda está faminto por algo, continua sonhando. “Iconic” realmente fala sobre isso. Tentamos nos colocar no lugar do nosso eu de 20 anos e imaginar o quão intenso era esse sentimento. Tentamos lembrar o quanto queríamos essa carreira, o quanto queríamos fazer a diferença, o quanto queríamos ter sucesso e realizar esses sonhos que tínhamos. Portanto, é muito fácil voltarmos a sentir as mesmas emoções. Acho que ainda carregamos isso dentro de nós.

Alguma mensagem para seus fãs na Colômbia antes do show?
Gostaria apenas de agradecer a todos vocês por sempre apoiarem a banda. Vemos vocês nas redes sociais, vemos suas mensagens com as bandeiras colombianas em todos os lugares, nos convidando a voltar. Estamos esperando por vocês. Sabemos que não estivemos aí há mais de dez anos, então queremos agradecer pela paciência, por sempre nos apoiarem e por ouvir nossa música. Estivemos lá com nossas músicas em muitos momentos para muitas pessoas, e é muito gratificante perceber isso. Portanto, estou extremamente grato por nossa banda ter sido capaz de fazer parte de suas vidas e por termos conseguido ser, obviamente, uma pequena parte, mas ainda assim uma parte das experiências de todo o seu mundo emocional, e por ajudarmos de alguma forma a mantê-los fortes ou a superar momentos difíceis, ou até mesmo a celebrar momentos felizes em suas vidas. É realmente um presente.